quarta-feira, maio 10, 2006

«Obviamente demito-o!»

Faz hoje 48 anos que um general "sem medo" o disse alto e bom som, para que o regime estremecesse nos seus fracos alicerces. Salazar não lhe perdoou a afronta e o resultado viu-se nas eleições presidenciais de 8 de Junho seguinte. Os eleitores, perante o resultado de uma das maiores fraudes eleitorais de que há memória, mais do que nunca sentiram-se vilipendiados, amordaçados, espezinhados. Esse longínquo 8 de Junho foi dia de festa e esperança... até à publicação dos editais. Foi um sonho colectivo deitado por terra, à conta das muitas chapeladas dos acólitos de S. Bento. Mas nem mesmo depois de o assassinarem em 1964, os abutres passaram a dormir descansados. A esses que a terra lhes seja bem pesada!
O 25 de Abril foi feito por capitães, mas houve um general que, com outros homens sem medo, também esteve lá.

2 Opiniões:

Anonymous pratitamem opinou...

Não vivi esse tempo, mas gabo a forma ingénua, como o assunto retartado por vós. Embora "sabendo" as limitações de informação na altura, o grito foi dado nas eleições? sempre ouve eleições. O papa dizia, primeiro acaba o curso, depois falamos. Depois vinha o bom emprego. Se não é o povo, aquilo que o povo, os soldados do ultramar, transmitiram aos oficiais, do ultramar, aos gajos da sua idade, nesse mundo em mudança, teria sido porventura com sangue.

domingo jun 11, 04:40:00 da manhã  
Anonymous pratitamem opinou...

Faço parte do sistema, vivo dele durante vinte anos, sou cego durante trinta anos, fecho os olhos, faço vista larga a todas as atrocidades e mortes que aconteceram. Depois um dia fico chateado, e penso que é a minha vez? Ná. Ao tempo, admito coragem, mas não será um idolo pra mim.

domingo jun 11, 04:56:00 da manhã  

Enviar um comentário

<< Caminho de volta