sábado, agosto 20, 2005

(In)competências .Post 2

Quando se é jovem e idealista, se tem sangue na guelra e pelo na venta, miolos na cabeça em vez de caca de passarinho, a gente faz o que pode para mudar o que está mal. Em lugar de nos acomodarmos, incomodamo- nos. E incomodamos. Porque somos sempre a ovelha ronhosa, a tal que destoa do rebanho certinho, que não embandeira em arco de cada vez que o director se ri. E crescemos assim.
Temos mau feitio, criamos mau ambiente, porque desassossegamos a paz de cemitério, porque temos a coragem de atirar a pedrada ao charco. E isto espontaneamente, porque pensar, usar os neurónios, faz parte de uma natureza congénita e afeiçoada com tempo e vivências. Ousamos afrontar quem nos desrespeita nos nossos direitos mais elementares, tiramos satisfação. Contestamos, discutimos ordens absurdas que a nada conduzem a não ser ao nosso desgaste pessoal. Apenas em nome da justiça.
Não alinhamos ao lado do doutor-vestido-de-armani nem sequer do senhor-do- -polo-lacoste. Porque não passam de vencidos disfarçados de vencedores. Porque as suas metas nas vidinhas pequenas, apertadas no T2 de Telheiras, se resumem ao telemóvel-topo-de-gama ou ao Audi pago nalguns casos pela empresa, noites de sexta nas docas e fins-de-semana em Vilamoura. São os capachos dos patrões, que se deitam fora quando eles próprios se tornam na lama que deveriam limpar…
Contra as suas armas a luta é desigual, eles são os senhores do universo todo, do pequeno universo de uma pequena empresa, da qual são apenas transitórios mandatários e nunca os absolutos mandantes. São ignorantes por vocação, malfazejos por conveniência. A incompetência mal disfarçada.
E repito que contra as suas armas a luta é desigual, pois ao primeiro lampejo do meio neurónio dessa gentinha, esses jovens que apenas usam a frontalidade e a coragem de ser pessoas, levam com a concretização da ameaça "ou vai ou racha".

(a continuar ao sabor dos novos acontecimentos)

8 Opiniões:

Blogger mfc opinou...

O nosso mundo das ilusões tambem se acaba, mas podemos e devemos prosseguir com o sonho.
Esse é indestrutível.

sábado ago. 20, 02:19:00 da tarde  
Blogger rajodoas opinou...

Parabéns amiga por este post. Gostei
particularmente da aabordagem e vou estar atento aos próximos capítulos.
A visão não poderia está de acordo com a realidade. E tantos que há por aí. Por acaso até conheço alguns. E nem sequer os automóveis BMW, AUDI, etc, em que se transportam são deles, não sabem o que é gastar dinheiro com a manutenção, seguros combustíveis é tudo proporcionado pela empresa, que, como diz e muito bem, os indemniza e manda-os embora porque já não precisa deles.

sábado ago. 20, 06:54:00 da tarde  
Blogger Margarida Bonvalot opinou...

Caros amigos mfc e rajodoas:
trata-se, neste post como no anterior, - - creio que de Abril - de um caso entre muitos, mas que me toca particularmente. Fiquem certos que toda a evolução dos acontecimentos será aqui esboçada, até ao final. Talvez aí eu ponha a boca no trombone e chame os bois pelos nomes...

sábado ago. 20, 07:19:00 da tarde  
Blogger José Cartaxo opinou...

As revoluções são uma chatice, mas têm uma coisa boa: por serem acontecimentos extremos, erradicam sempre da sociedade muita gente dessa — temporariamente.

Um abraço.

sábado ago. 20, 11:10:00 da tarde  
Blogger bárbara opinou...

"aprender, aprender, aprender sempre."
mesmo quando a lição não nos agrada...

domingo ago. 21, 02:07:00 da tarde  
Blogger Margarida Bonvalot opinou...

...mas há custos de aprendizagem que vão muito além do proveito tirado da mesma!...

domingo ago. 21, 03:12:00 da tarde  
Blogger Carlos Gil opinou...

Gostei, e muito.
Beijito, Guida.

domingo ago. 21, 10:22:00 da tarde  
Blogger Sonia F. opinou...

Só hoje é que soube o que aconteceu. Esta tarde vou saber mais pormenores, já está marcado um café. Beijos.

terça ago. 23, 11:46:00 da manhã  

Enviar um comentário

<< Caminho de volta