quarta-feira, agosto 31, 2005

E Alegre se fez triste


Alegre o poeta abdica, a bem da nação, quer dizer, do partido. Esfuma-se uma hipótese de candidatura à esquerda para aqueles que, como eu, não acreditam num Soares regressado. Para isto se jantarou em grande roda de amigos e "apoiantes" (de quê?) com cobertura da comunicação social. Tudo para parecer que.
Como diria o meu avô, foi-se a pólvora em mijaretes.

3 Opiniões:

Blogger rajodoas opinou...

Também fiquei desiludido com Manuel Alegre e o argumento de não querer ser
o responsável pela cisão do partido
não colhe. Tenho a certeza até mesmo ao nível da blogosfera que grande parte dos militantes não apoiam Soares. Só nos resta uma alternativa votar contra os dois candidatos, reduzindo a sua percentagem nos votos obtidos. Sim que essa teoria lá porque são eleitos representarem todo o povo português é muito discutível.

quinta set. 01, 07:33:00 da tarde  
Blogger AnaCristina opinou...

Também, no meu blog, deixei transparecer a minha tristeza pela desistência de Alegre. Mas o discurso que ele fez foi magnífico, além de que nunca manifestou o seu apoio a MS mostrando, mais uma vez, a sua rectidão.
Deve ter doído a muita gente, aquele discurso...

sexta set. 02, 10:53:00 da manhã  
Blogger Al opinou...

Eu sou fá do Alegre, o poeta de todos nós, sempre muito sério, rectidão a toda a prova, idéias firmes, etc... tudo a favor, mas nem sempre os melhores ganham as eleições. O espírito ganhador e o carisma obrigatório para vencer uma eleição como aqui se trata, exigem uma certa agressividade (no bom sentido!) que não reconheço em Manuel Alegre. Creio que seria um grande Presidente, mas duvido que se elegesse. A verdade é que também não vejo muitas opções no PS. Talvez entre as mulheres... aí sim, teria sido a grande saída. O Mário Soares acabou sendo o pneu suplente.

sexta set. 02, 06:16:00 da tarde  

Enviar um comentário

<< Caminho de volta