terça-feira, junho 13, 2006

José Gomes Ferreira

(Ao Francisco Colaço, de Aljustrel, autor destas fotografias)



(Crítica à poesia das imagens aos cachos. Como de costume, autocrítica)
É tão fácil dizer que saem dos olhos das mulheres andorinhas verdes
ou chamar à lua a caveira voada da flâmula dum navio pirata!
Mas a poesia - onde está?
A poesia que transforma de repente a música em lâmina
para romper a noite até à solidão dos archotes
que escurecem mais e mais
este abismo absurdo
sem astros de céu vivo
onde as pedras apodrecem
e as andorinhas verdes não saem dos olhos das mulheres?
Mas a outra poesia - onde está?
Essa esperança convicta
de teimar na certeza do nada
com explicações
de papoilas
e esqueletos a abraçarem-se
no amor final já sem sentido de bandeiras?
Sim. Onde está?
Que palavra abre
para além da luz secreta
que os dedos dos mortos acendem no perfume das flores?
Sim. Onde está?
- Poesia de rasgar pedras.
Poesia da solidão vencida.
Poesia das pombas assassinadas.
Poesia dos homens sem morte.
(Eléctrico XLI, Poesia III)

1 Opiniões:

Anonymous Anónimo opinou...

Fotos muito interessantes!!! Pena q na minha cidade as andorinhas tenham sido expulsas de boa parte dos telhados/beirais pelos pombos e gralhas.
Se bem que sujam mais que os outros, especialmente quando fazem os ninhos, são aves com que simpatizo muito!

Bom fim de semana

patrimonios.blog.com

sexta jun 16, 03:39:00 da tarde  

Enviar um comentário

<< Caminho de volta