sábado, outubro 09, 2004

Mértola

As palavras não chegam para a descrever. Fora dos meus percursos habituais, não é todos os dias que lá vou, mas não se me dava estar lá mais vezes. O encantamento é por demais intenso para que se passe de largo ou não se pense em voltar uma e outra e outra vez... Muitas vezes. Mas se não me cair em cima a ira dos deuses, estarei lá em Maio do próximo ano. No 3º. Festival Islâmico. Perder-me-ei nas ruelas do suk, beberei chá de menta e escutarei o alaúde do Eduardo Ramos. Deixar-me-ei arrebatar por toda a exuberância de cores, aromas, vestimentas e tendas. Enlevar-me-ei com as danças e cantares, de cá e de lá. Verei os amigos de sempre. Alguém pela vez primeira estará lá comigo, para vivenciarmos a dois a mágica sensação do retorno às origens. Inch Allah!
Entretanto, evoco o branco e azul de que se reveste a taipa. Em Mértola, em Chefchaouen.



2 Opiniões:

Anonymous Anónimo opinou...

mértola é um espectáculo. Chaouen é outro, à sua maneira. e são espantosas as semelhanças entre uma e outra. são geminadas e faz mesmo todo o sentido. afinal somos mesmo mouros :)
A Outra Margem

domingo out 10, 12:59:00 da manhã  
Blogger Sonia F. opinou...

Desde a 1ª edição, que quero lá ir, mas ainda não foi possível. Á terceira é de vez. Se calhar encontramo-nos por lá.

domingo out 10, 02:09:00 da tarde  

Enviar um comentário

<< Caminho de volta